O Banco

Para você

Para sua empresa

Blog

Empréstimo
/ home equity

Crédito com garantia de imóvel para você usar como quiser.

Saiba mais
2ª via do boleto

Serviços ao mercado financeiro

Saiba mais
Segurança Digital

Política de proteção de dados: como serão as regras dos bancos?

03 MAI 21
COMPARTILHE

A LGPD contribui para o sigilo das operações bancárias e preserva informações pessoais e financeiras dos clientes

Os bancos digitais vieram para revolucionar a forma como você gerenciava sua vida financeira. Depois deles, abrir uma conta, investir suas economias ou solicitar empréstimos ficou ainda mais simples e dá para fazer tudo do conforto do seu lar.

Mas, quando se trata de operações financeiras digitais, surgem algumas dúvidas quanto à política de proteção de dados que deve preservar suas informações na internet. Nesse sentido, a Lei Geral de Proteção de Dados te dá autonomia no uso das suas informações.

Quer saber como? Então confere a seguir!

O que é a Lei Geral de Proteção de Dados?

A LGPD é uma norma jurídica que preserva o uso público ou privado das suas informações pessoais. Na prática isso quer dizer que, a partir de 14 de agosto de 2018 quando a Lei n. 13.709 foi sancionada, você passou a ter poder sobre o que é feito com suas informações.

Segundo o Ministério da Defesa, o objetivo da Lei de Proteção de Dados é garantir os direitos de liberdade e privacidade do brasileiro. Ou seja, instituições bancárias e financeiras deverão seguir normas e regras para utilização dos dados dos clientes.

Se você quer pedir um empréstimo e está buscando alternativas, é interessante saber como a Lei de Proteção de Dados funciona para os bancos.  Continue a leitura para saber como ela vai impactar na sua vida, trazendo mais segurança para suas escolhas.

Como funciona a política de proteção de dados

Você já parou para pensar na quantidade de empresas e instituições que coletam direta ou indiretamente seus dados pessoais? Cadastro em sites, compras na internet ou abrir contas digitais, informações como nome, CPF e endereço são utilizados para diversos fins.

No caso de bancos digitais, esses dados são fundamentais para o serviço que é prestado. Por isso, a política de proteção de dados não é opcional e regulamenta as seguintes condutas:

Coleta

Estabelece como as suas informações são recolhidas: tanto os pessoais, como dados financeiros, bancários, entre outros.

Armazenamento

Define também como serão armazenados, seguindo protocolos de segurança para garantir a privacidade das suas informações e impedir o uso indevido por terceiros. Além disso, existem diretrizes de redução de danos, caso aconteçam falhas nos protocolos de segurança.

Uso e compartilhamento

Determina o que o banco vai fazer com seus dados e como vai utilizar as informações que têm sobre você. Ou seja, a LGPD define desde de como seus dados devem ser recolhidos até como podem ser utilizados, seja física ou digitalmente.

O setor bancário, que já se destacava pelo nível de preocupação com a sua privacidade, está ainda mais seguro.

Direitos e deveres sobre os seus dados

Você não precisa mais ficar com receio do que será feito com os dados que disponibilizar na hora de fazer um empréstimo pessoal. A política de proteção de dados te garante direitos sobre as suas informações, assim como deves aos bancos.

É direito do cliente

- Acesso aos dados informados

- Direito de corrigir informações caso estejam com erros ou sofram mudanças

- Possibilidade de levar seus dados para outros bancos ou instituições financeiras

- Oportunidade de cancelar o consentimento do banco de usar suas informações

- Direito de pedir a exclusão ou o esquecimento dos dados no sistema do banco ao finalizar uma conta

- Direito de impedir que o banco utilize os dados para oferecer serviços ou produtos que não sejam do interesse do cliente

É dever dos bancos

- Garantir o consentimento do cliente para uso dos dados e destinar cláusulas no contrato para especificar como essas informações serão utilizadas

- Utilizar dados desde respeite a privacidade do cliente, mantendo sempre o anonimato

- Reforçar o sistema de proteção de dados para a segurança de todos

- Manter a transparência e informar aos titulares de contas e órgãos responsáveis caso exista vazamento de dados

Para garantir que esses direitos e deveres sejam cumpridos, foi criada em julho de 2019 a ANPD, Autoridade Nacional de Proteção de Dados Pessoais. O objetivo é que o órgão fiscalize o uso de dados e penalize, caso necessário, instituições que descumpram a LGPD.

Ilustração mostra pessoas utilizando computadores e celulares e ícones que remetem a segurança.
A Lei Geral de Proteção de Dados contribui para o sigilo das operações bancárias e preserva informações dos usuários

Em que situação seus dados são retidos

A política de retenção de dados será necessária enquanto a instituição bancária necessitar utilizar as suas informações para prestar o serviço que foi contratado. Respeitando sempre o que foi acordado ao fechar o contrato e a cláusula sobre a segurança de dados.

Quando o serviço chegar ao fim e existir a necessidade de finalização ou mesmo cancelamento do contrato, é possível pedir a exclusão dos seus dados pessoais, sensíveis, públicos e anonimizados para o banco.

Dados protegidos pela Lei Geral de Proteção de Dados

Dados Pessoais

Dados Pessoais são todas as informações que permitam a identificação de uma pessoa. Ou seja: nome, número de RG e CPF, gênero, data e local de nascimento, telefone, endereço, localização, fotografia, renda, entre outros.

É considerado também “dado pessoal” o seu histórico de pagamento, crédito e hábito de consumo, além do endereço de IP do seu computador e os cookies das suas navegações pela internet.

Dados Sensíveis

Dados Sensíveis são aqueles que precisam de um cuidado maior ao serem tratados pelas empresas e instituições financeiras que os retêm: raça, origem étnica, religião ou filosofia, preferências políticas, filiação sindical, além de informações sobre saúde e genética.

Além disso, entram em “dados sensíveis”, toda informação sobre crianças e adolescentes.

Dados Públicos

Dados Públicos são aqueles que previamente e com o consentimento do titular, se tornaram públicos e serão utilizados pelo banco ou empresa. Mesmo assim, caso o banco deseje compartilhar essas informações, deve pedir autorização.

Dados Anonimizados

Dados Anonimizados são aqueles que não permitem a identificação do seu titular. Para isso é necessário que eles passem por um tratamento que inviabilize o rastreamento direta ou indiretamente da pessoa a quem pertence.

Padrão de Segurança Banco Bari

Se você procura transparência nas movimentações financeiras e proteção aos seus dados, o padrão de segurança Banco Bari vai te deixar ainda mais confiante. Isso porque utilizamos o Secure Socket Layer, um protocolo projetado para proteger a comunicação das nossas redes.

O SSL, como é conhecido, criptografa todas as mensagens trocadas entre o servidor e o navegador, o que garante o sigilo das suas informações. Além disso, contamos com uma Política de Privacidade elaborada especialmente para garantir a sua proteção.

Segurança e melhores condições? O Banco Bari tem!

Além de toda a preocupação com a proteção dos seus dados, pensamos também na proteção da sua vida financeira. Está pensando em fazer um empréstimo para sair do vermelho ou dar um up na sua vida?

Temos a solução. A linha de crédito flexível Banco Bari tem as melhores condições que você procura e te permite usar o valor quando e como quiser. Então aproveite e faça agora a sua simulação!

Veja também

Este site usa cookies e outras tecnologias que ajudam a personalizar o conteúdo de acordo com nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você declara estar ciente dessas condições.