O Banco

Para você

Para sua empresa

Blog

Empréstimo
/ Crédito com garantia de imóvel

Empréstimo inteligente para dar fôlego ao seu negócio.

Saiba mais
2ª via do boleto

Serviços ao mercado financeiro

Saiba mais
Planejamento Financeiro

Como fazer um planejamento financeiro familiar em 7 passos

13 DEZ 21
COMPARTILHE

O planejamento financeiro familiar é uma ferramenta essencial para equilibrar o orçamento. Com ele, você acaba com as dívidas, toma decisões inteligentes e ainda investe seu dinheiro.
 

Para gastar seu dinheiro de forma consciente e inteligente, é preciso fazer um bom planejamento financeiro familiar. Afinal, garantir que o dinheiro dure todo o mês depende de você e todas as pessoas que moram junto, certo?

É assim que você alcança os seus sonhos e objetivos. Por exemplo, comprar um carro, uma moto ou um imóvel, fazer uma viagem esperada há tempos, enfim, conquistar o que quiser! Além disso, um bom planejamento ajuda a evitar a ansiedade e o estresse de ficar no vermelho.

Então, que tal saber qual a importância do planejamento financeiro familiar e como colocar em prática? Confira neste post!

O que é o planejamento financeiro familiar?

O planejamento financeiro familiar é uma estratégia de organizar e controlar os gastos para garantir que o seu dinheiro seja usado de forma inteligente. A ideia é fazer uma boa gestão do seu orçamento. Assim, é possível conquistar sua independência e evitar imprevistos que levam ao endividamento e à inadimplência.

Como fazer o planejamento financeiro familiar? A ideia é anotar todos os valores para fazer uma projeção de gastos e ganhos em determinado período. Além disso, essa análise ajuda a entender como economizar.

Por isso, essa é uma ferramenta de educação financeira. Isso porque você conseguirá organizar o seu orçamento familiar. A partir disso, fará compras mais conscientes, evitando desperdício, o descontrole e o imprevisto.

Qual a importância do planejamento financeiro de uma família?

A importância do planejamento financeiro familiar se resume a: ter uma visão realista do seu orçamento. A educação financeira passa por isso, já que é comum haver o descontrole.

Para ter uma ideia, uma pesquisa do SPC mostrou que cerca de 48% dos brasileiros não monitoram seu orçamento. Ou seja, têm dificuldades de visualizar quanto ganham e gastam no período de 30 dias. Muito disso vem dos hábitos. Afinal:

  • 25% utilizam apenas a memória para controlar as despesas;
  • 20% não registram os seus ganhos e os gastos;
  • 2% deixam que outras pessoas assumam essa responsabilidade;
  • 39% do total de brasileiros que anotam os gastos fazem isso enquanto eles ocorrem;
  • 27% só fazem a contabilização no final do mês;
  • 33% fazem um planejamento para o mês seguinte.

Portanto, muita gente não sabe como gasta seu dinheiro e deixa para fazer essa análise somente no final do mês. Porém, é fácil esquecer dos detalhes quando chega nesse momento. 

Por exemplo, você lembra daquele chocolate que comprou em um dia estressante? É provável que não.

Parece algo pequeno, mas anotá-lo é um exemplo de planejamento financeiro familiar eficiente. Caso contrário, o chocolate se soma ao café, que se junta à bala etc., e tudo resulta em um montante significativo.

É o caso de você esquecer de anotar 5 cafés no mês, 3 barras de chocolate e uma camiseta. Imagine que cada um deles custe:

  • café: R$ 4;
  • barra de chocolate: R$ 5;
  • camiseta: R$ 50.

Somando tudo, temos R$ 20 em cafés, R$ 15 em barras de chocolate e R$ 50 em camiseta. Ou seja, R$ 85 são esquecidos. Se essa média mensal se mantiver, chegará a R$ 1.020 em um ano. Já pensou?

Esse é um exemplo das vantagens de aplicar um planejamento financeiro familiar. Ainda existem outros benefícios. Os principais são:

  • Educação financeira, já que você conhece sua realidade em detalhes e pode definir quais gastos são necessários e quais podem ser deixados para depois;
  • Redução das despesas, porque os gastos se tornam mais conscientes;
  • Diminuição dos gastos compulsivos, com maior priorização;
  • Possibilidade de investir seu dinheiro e ter uma renda passiva, isto é, obter lucro a partir das aplicações financeiras;
  • Conquista dos seus objetivos financeiros;
  • Construção de patrimônio para garantir o seu futuro.

Como fazer um planejamento financeiro familiar? Confira 7 passos

Icone de três pessoas. Uma mulher e uma criança à direita de um stand do Banco Bari com o símbolo de OK, e, na esquerda, um homem com um carrinho cheio de compras.

Agora chegou o momento de saber como devemos montar um bom planejamento financeiro familiar. Ele deve partir da sua realidade atual. Assim, fica mais fácil manter a disciplina e o foco.

Esses dois quesitos são essenciais para um bom resultado. Afinal, um planejamento financeiro familiar mensal é um estilo de vida. Em comparação, seria como uma reeducação alimentar.

Explicamos: quando você faz uma dieta da moda, tem grandes chances de voltar ao peso inicial. Isso porque não mudou os seus hábitos. Fez aquele esforço no começo, conseguiu o que queria, mas depois voltou a comer o que não devia.

Com a reeducação alimentar, é diferente. Você até consome besteiras, mas prioriza aquilo que faz bem para a sua saúde. No planejamento do orçamento familiar, a ideia é a mesma.

Portanto, em vez de fazer um esforço maior durante um período mais curto, faz uma análise do que deve modificar e reestrutura todos os seus hábitos de consumo. Dessa forma, é possível entender o que precisa ser ajustado para fazer mais com a mesma quantidade de dinheiro.

Como chegar a esse patamar? Saiba mais sobre planejamento financeiro familiar e como fazer.

1. Identifique todos os seus gastos e ganhos

O primeiro passo é avaliar a sua situação atual. Para isso, utilize um aplicativo de planejamento financeiro familiar ou uma planilha simples. Em qualquer uma das ferramentas, é preciso anotar todos os valores.

Aqui, são incluídas as contas mais altas e as mais baixas, os gastos com cafés, restaurantes, lanches e até com aquela balinha de R$ 0,50. Ainda devem ser registradas todas as receitas, isto é, o seu salário, algum valor extra que receba, o dinheiro que algum amigo devolveu etc.

Por que fazer isso? Essa prática permite entender exatamente quanto você gasta e ganha. Assim, pode seguir para a próxima etapa.

2. Classifique os valores

Divida cada uma das receitas e despesas em categorias. Elas devem ser adequadas ao contexto das suas finanças. Porém, algumas possibilidades são:

  • Moradia;
  • Transporte;
  • Alimentação;
  • Lazer;
  • Saúde;
  • Água;
  • Energia;
  • Internet;
  • TV a cabo/streaming.

É importante fazer essa classificação para identificar quais categorias consomem mais do seu orçamento. Por exemplo, se perceber que ? da sua renda está sendo utilizada para lazer, é a hora de repensar.

3. Defina metas de gastos para cada categoria

O planejamento financeiro da sua família deve seguir alguma regra que delimite o máximo de gastos por categoria. Existem várias possibilidades — e você também pode implementar algo que dê certo para a sua realidade.

No entanto, uma dica é seguir a regra 50-30-20. Ela ajuda a conseguir seus objetivos a partir da limitação do seu orçamento. Veja como aplicar:

  • 50% são destinados a gastos essenciais. Por exemplo, moradia, contas de consumo (água, energia, gás etc.), saúde, supermercado, internet e mais;
  • 30% são voltados para supérfluos. Esses valores são importantes para manter o seu estilo de vida, mas não são tão necessários. Por isso, podem ser cortados. Esse é o caso de passeios, academia, serviços de streaming, roupas, eletrônicos, produtos para animais de estimação etc.;
  • 20% são direcionados para pagamento de dívidas ou investimentos. Essa quantia é utilizada para quitação de empréstimos, parcelamentos, financiamentos. Essa deve ser a prioridade. Se não tiver débitos em aberto, esse percentual deve ser investido para garantir seu futuro.

4. Reveja os gastos

Confira todos os valores mensais desembolsados. Especialmente, aqueles relativos às categorias que pesam mais no seu orçamento. Depois, busque possibilidades de redução de gastos. Por exemplo:

  • Contrate um plano mais barato de internet;
  • Troque a academia por exercícios ao ar livre;
  • Comece a cozinhar para os amigos, em vez de ir a restaurantes.

5. Crie metas

Todas as etapas anteriores devem ser compartilhadas com todos da sua família. Isso porque eles precisam se engajar no mesmo propósito. Além disso, metas devem ser estabelecidas em conjunto. Assim, fica mais fácil obter o comprometimento de todos.

A dica é ter uma conversa franca. Desse modo, todos sabem como o valor economizado será utilizado.

6. Deixe uma pessoa responsável por controlar os gastos

Apesar do planejamento financeiro ser familiar, apenas uma pessoa deve centralizar o controle dos gastos. Assim, é possível manter a disciplina e a organização.

A pessoa responsável também deve utilizar apenas uma ferramenta de organização dos valores. Como destacamos, pode ser um aplicativo ou uma planilha.

7. Forme uma reserva de emergência e invista

Ao quitar suas dívidas, primeiro use o valor para investimentos com o objetivo de formar uma reserva de emergência. Essa é uma quantia guardada para imprevistos, como a perda do emprego, uma viagem inesperada ou um tratamento de saúde.

Quanto ter à sua disposição? Depende do seu modelo de trabalho. Se for CLT, guardar o equivalente a 6 meses de trabalho é suficiente. Se for servidor público, pode reservar o montante de 3 meses. Caso seja autônomo, opte por chegar a 9 meses. Isso traz mais segurança.

Esse dinheiro da reserva de emergência já deve ser investido. No entanto, ele deve estar alocado em aplicações financeiras de liquidez diária e da renda fixa. Duas opções são o Tesouro Selic e o Certificado de Depósito Bancário (CDB), que não geram perdas em caso de resgate antecipado.

No caso do CDB, apenas se certifique de que ele tem liquidez diária. Depois da reserva de emergência, escolha outras modalidades. Uma delas é a Letra de Crédito Imobiliário (LCI), que também é segura e ajuda a ter uma rentabilidade maior no longo prazo.

Agora você já sabe como criar o seu planejamento financeiro familiar e pode começar a conquistar seus sonhos. Então, que tal colocar as dicas acima em prática?

Aproveite e conte com a ajuda de quem é especialista no assunto. Conheça o Banco Bari, faça a sua conta digital e invista seu dinheiro para fazer sua vida render mais!

Veja também

Este site usa cookies e outras tecnologias que ajudam a personalizar o conteúdo de acordo com nossaPolitica de Privacidade. Ao continuar navegando, você declara estar ciente dessas condições.