O Banco

Para você

Para sua empresa

Blog

Empréstimo
/ Crédito com garantia de imóvel

Empréstimo inteligente para dar fôlego ao seu negócio.

Saiba mais
2ª via do boleto

Serviços ao mercado financeiro

Saiba mais
Educação Financeira

O que é e como funciona o crédito rotativo

11 JUL 22
COMPARTILHE

Empréstimo rotativo é aquele que é contratado automaticamente quando você paga menos do que o total da fatura do cartão de crédito. Mas essa solução aparentemente fácil pode se tornar também uma verdadeira armadilha.

Se você usa cartão de crédito com frequência já deve ter considerado pagar a fatura mínima em algum momento. Afinal, essa parece ser uma facilidade. Porém, para entender exatamente como isso funciona, é fundamental saber o que é empréstimo rotativo.

Esse termo é usado para representar o empréstimo automático que o banco autoriza quando você deixa de pagar a fatura total do cartão. Inclusive, é possível que você já tenha passado isso. Mas, acredite: ainda que seja uma alternativa, essa não é a melhor opção.

Por quê? Como todo tipo de empréstimo, essa modalidade inclui a cobrança de juros — bem altos, por sinal! Então, que tal saber mais e ver se vale a pena contar com esse recurso ou se é melhor fazer um bom planejamento financeiro? Continue conosco!

O que é crédito rotativo?

O crédito rotativo é uma modalidade de empréstimo automático, garantida aos clientes que deixam de efetuar o pagamento do valor total da fatura do cartão de crédito. Pode ser o valor mínimo ou um intermediário.

A incidência máxima é de 30 dias. Ou seja, você pode fazer essa renegociação com o banco até o próximo vencimento. Quando chegar nessa data, há duas possibilidades:

  • Quitação da dívida;
  • Renegociação com o banco, por meio de um empréstimo pessoal.

Leia mais: Como conseguir crédito: conheça as opções do mercado e conquiste seus sonhos

De toda forma, a principal característica do rotativo é o fato dessa modalidade de crédito não ser burocrática. Afinal, a contratação ocorre no momento em que você deixa de pagar a fatura.

Além disso, os juros cobrados são somente sobre a quantia que deixou de ser paga. Portanto, o que foi quitado deixa de ser considerado pelo banco.

Na prática, saber o que é empréstimo rotativo começa por entender que essa solução funciona como uma linha de crédito de curto prazo. Até abril de 2017, os clientes de cartão de crédito podiam deixar a dívida rolar indefinidamente.

Porém, o grande número de inadimplentes sem condições de quitar as dívidas fez o Banco Central mudar as regras. Por isso, ficou estipulado que o uso do rotativo tem duração máxima de 30 dias.

O que é parcela rotativa?

O termo parcela rotativa também é utilizado para ajudar a definir o que é empréstimo rotativo. Portanto, é uma linha de crédito contratada a partir do momento em que você paga um valor abaixo do total da fatura do cartão.

Como funciona o empréstimo rotativo?

ilustração de uma mão segurando um cronômetro e cartões de crédito e notas de dinheiro

O crédito rotativo e parcelado funciona de maneira bastante simples. A contratação é compulsória, a partir do momento que você paga menos do que o total. Ele pode ser utilizado até o próximo vencimento ou quitado antes dessa data.

No primeiro caso, os juros e outros encargos serão somados na próxima fatura. Assim, o valor cobrado será bem mais alto do que o normal. No segundo, você pagará essas quantias extras, mas por um período menor. Por isso, é necessário entrar em contato com o banco.

De toda forma, a cobrança é feita sobre o saldo devido. Ou seja, a quantia da fatura que deixou de ser paga. Por exemplo, se o total foi de R$ 1.000, é provável que o mínimo seja de R$ 150 — isso porque os bancos costumam exigir a quitação de 15% ou mais.

Se você pagar somente esses R$ 150, ficará com um saldo devedor de R$ 850. Os juros incidirão sobre essa quantia pelo período de tempo que ficarem em aberto. Ainda podem ser aplicados outros encargos, que precisam ser verificados com o banco.

Por isso, o recomendado é sempre analisar o Custo Efetivo Total (CET). Essa é a alíquota realmente aplicada sobre qualquer empréstimo contratado. Dessa forma, é possível tomar decisões mais acertadas — inclusive, a possibilidade de optar por outra linha de crédito.

Qual a taxa de juros do crédito rotativo?

Cada instituição financeira determina quanto vai cobrar em suas linhas de crédito. De toda forma, quanto mais alta a taxa básica de juros, a Selic, mais elevada será a alíquota incidente. No caso do crédito rotativo e parcelado, a média está em 355% ao ano, segundo dados do Banco Central relativos a fevereiro de 2022.

Fazendo uma conversão de taxa anual para mensal, isso resulta em 13,45% ao mês. É aí que entra o principal alerta: essa alíquota é bastante alta quando comparada a outras modalidades de crédito. Por exemplo, no crédito com garantia de imóvel, onde a cobrança inicia em 0,99% ao mês mais IPCA, que é a inflação oficial do país.

Já no empréstimo consignado, as taxas também são baixas, costumam ficar entre 1% e 2% ao mês. Alternativas, sem dúvidas, muito mais atrativas para quem busca organização financeira.

Como é feita a cobrança do crédito rotativo?

A taxa de juros e outros possíveis encargos são aplicados sobre o saldo devedor. Na fatura seguinte do cartão de crédito, aparecem essas quantias somadas aos gastos mensais. Porém, vale a pena lembrar que essa cobrança é uma das mais altas do mercado.

Quando chegar o próximo vencimento, você terá que arcar com a fatura total. Isso porque não existirá a possibilidade de pagamento mínimo. Se ainda não tiver a quantia necessária, precisará renegociar com o banco. Outra possibilidade é contratar um empréstimo mais barato e fazer a chamada troca de dívida.

No entanto, como isso tem até 30 dias para acontecer vale a pena considerar uma opção de empréstimo mais inteligente antes de entrar no crédito rotativo. Afinal, você economizará e conseguirá sair do vermelho.

Leia mais: 9 dicas para quitar as dívidas e organizar as finanças

Como é feito o parcelamento?

O parcelamento é automático. A taxa de juros e outros encargos sempre vão incidir sobre o saldo devedor. Por exemplo, se você tem uma fatura de R$ 1.000 e pagou somente R$ 150, o restante é de R$ 850.

Se a cobrança for equivalente a 15% ao mês, o valor a mais que aparecerá na próxima fatura é de R$ 127,50. Isso porque você deve multiplicar o saldo devedor pelo CET. Nesse caso, R$ 850 x 15% = R$ 127,50.

Como utilizar o crédito rotativo?

Agora que você sabe o que é crédito rotativo e como funciona, ainda é importante esclarecer algumas questões. A primeira delas é que o saldo devedor acrescido de juros e encargos será somado à próxima fatura.

Por isso, vale a pena buscar uma linha de crédito mais barata ou até considerar o parcelamento da fatura do cartão de crédito. Nesse caso, você não entra no empréstimo rotativo automático e paga uma taxa de juros um pouco mais baixa. Ainda assim, não costuma ser a melhor.

Para fazer a simulação de parcelamento, é possível usar o próprio internet banking ou o aplicativo do banco. No entanto, é fundamental buscar mais opções. Existem vários simuladores que ajudam a encontrar a alternativa financeira mais viável.

Outro detalhe relevante é que o limite do seu cartão de crédito ficará comprometido enquanto o crédito rotativo estiver vigente. Isso acontece porque o saldo devedor ocupa uma parte dessa quantia disponível.

Fazendo a quitação no mês seguinte, tudo volta a ser liberado. Se for feito um parcelamento da fatura, a recomposição do limite depende de cada pagamento realizado.

Como sair do rotativo do cartão de crédito?

Como já vimos, entender o que é empréstimo rotativo implica saber que essa alternativa não é a melhor opção. Tanto é que o cartão de crédito é o tipo de dívida mais comum entre os brasileiros, conforme dados da Serasa Experian.

Para se ter uma ideia, do total de famílias brasileiras, 28,7% estão inadimplentes hoje. Ou seja, têm contas vencidas e não pagas. Além disso, 77,4% estão endividadas, isto é, têm dívidas em aberto que podem estar em dia ou no vencimento.

Dentre esse total de famílias endividadas, 88,5% estão nessa situação devido ao cartão de crédito. Para ficar mais fácil entender, a cada 100 famílias brasileiras:

  • 28 estão com contas vencidas e sem pagamento. Portanto, podem ter o nome sujo;
  • 77 estão com dívidas em aberto. Elas podem estar vencidas ou não. Por isso, esse número inclui as 28 famílias inadimplentes.

Agora, considerando 100 famílias endividadas, 88 estão com o cartão de crédito sem pagamento. Por isso, entraram no empréstimo rotativo.

Isso acontece, em grande parte,  porque quase metade dos brasileiros (47%) tem quatro cartões de crédito ou mais. Assim, fica fácil entrar naquela bola de neve financeira, da qual parece que nunca mais será possível sair.

Contudo, existem opções! Nesse momento, é preciso ter frieza para encarar o problema de frente. Veja algumas dicas para resolver as pendências com o cartão de crédito:

  • Saiba quanto deve no cartão de crédito. Entre em contato com o banco e peça todas as informações. Observe, principalmente, o CET. Se tiver outras dívidas, aproveite para somá-las e ver qual é a real situação financeira do seu orçamento pessoal;
  • Analise o seu contexto financeiro. Verifique quanto ganha e gasta de forma detalhada. Para isso, utilize um aplicativo ou uma planilha de controle de gastos. Além do mais, anote todos os valores, mesmo os menores. Assim, você saberá quanto tem para pagar a dívida à vista ou com qual parcela conseguirá arcar durante o mês;
  • Entre em contato com o banco. Veja quais são as condições, argumente e tente chegar a um consenso. No entanto, nunca aceite uma situação em que você vai se endividar ainda mais. Sempre existem alternativas;
  • Corte gastos e evite novas compras parceladas. Isso é fundamental para manter o orçamento em dia e garantir que você conseguirá ficar no azul;
  • Troque a dívida por uma mais barata. Como vimos, a cobrança do empréstimo rotativo é bastante cara. Por isso, vale a pena considerar alternativas mais econômicas. É o caso do crédito com garantia de imóvel e o consignado. Dessa forma, você mantém o seu planejamento financeiro em dia.

Leia mais: Regra 50/30/20: método mais usado para organizar as finanças

Como evitar o empréstimo rotativo?

Existem opções mais interessantes de linha de crédito. Por isso, é importante saber como evitar o empréstimo rotativo. Vale a pena considerar algumas dicas. Veja:

  • Conheça as taxas de juros praticadas pelo banco antes de contratar o cartão de crédito;
  • Nunca empreste o seu cartão. Assim, evita que outras pessoas façam compras e deixem a dívida para você;
  • Evite fazer muitos parcelamentos. O cartão sempre deve ser usado como algo emergencial e precisa ser bem planejado. Caso contrário, é fácil sair do equilíbrio financeiro. Portanto, tente pagar tudo à vista;
  • Anote os seus gastos. Essa é a melhor forma de controlar os valores e evitar o endividamento e a inadimplência;
  • Pague o valor total da fatura sempre. Essa dica vale mesmo para aqueles momentos em que você não tem a quantia necessária. Afinal, há alternativas mais baratas, como já explicamos.

Ao adotar todos esses cuidados, você evita o crédito rotativo e parcelado e consegue manter o seu orçamento em dia. De toda forma, você já sabe que essa é uma opção, mesmo que nunca seja a melhor possível. Agora, pode tomar a decisão que considerar a mais adequada, concorda?

Com o entendimento sobre o que é empréstimo rotativo, você tem mais capacidade de definir qual é o melhor caminho a seguir. Além disso, pode contar com uma instituição financeira confiável, que ajudará a manter o seu orçamento sob controle.

Então, que tal aproveitar? Conheça as opções de crédito do Banco Bari para pessoas físicas e jurídicas, e entenda como você pode usar melhor o seu dinheiro.

 

 

 

 

Veja também

Este site usa cookies e outras tecnologias que ajudam a personalizar o conteúdo de acordo com nossaPolitica de Privacidade. Ao continuar navegando, você declara estar ciente dessas condições.